sábado, 24 de dezembro de 2011

Natal 2011

Meu Pai Natal faz-de-conta
Corre, de lado p’ra lado,
Com um saco de desejos,
P’ra não chegar atrasado!...
Mas, com um peso tão grande,
Embora já tenha prática,
Não sei se vai conseguir,
Pois anda com ‘ma ciática…

No saco gordo e vermelho,
Leva desejos de paz,
De saúde e de alegria
Que, a cada um, compraz;
E vontades de amor,
De sorte …felicidade …
Ou, fluindo na cor,
Sentimentos de amizade…
E, porque a crise instalada
Grassa sem ter clemência,
Também leva, doseada,
Mais alguma paciência!...
Apelos de humanidade
Irá entregar, sem termo,
Com projectos de humildade,
Sobretudo, ao Governo!...
Porém, p’ra vós, meus amigos,
Esperançoso e fraternal,
Leva abraços e sorrisos …
Votos de Santo Natal!...

Maria de Fátima Mendonça













terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Governo dos EUA promoverá defesa mundial
da homossexualidade por meio de concertos
de Lady Gaga

Ben Johnson



Como parte de uma campanha mundial visando promover a aceitação internacional da homossexualidade, o governo de Obama estabeleceu o «Fundo Global de Igualdade», orçado em 3 milhões de dólares, para financiar a defesa política da homossexualidade no mundo inteiro com o dinheiro dos cidadãos americanos que pagam impostos. As diretrizes do Departamento de Estado indicam que essa defesa poderia incluir de tudo, desde financiar ativistas políticos gays em outros países que fazem campanhas contra leis que definem o casamento como a união entre um homem e uma mulher até a organização de paradas do orgulho gay e concertos de Lady Gaga em países remotos.
Ler mais em:
http://maislusitania.blogspot.com/2011/12/governo-dos-eua-promovera-defesa.html




Estudo relaciona conteúdo sexual de TV
com gravidezes adolescentes

Um estudo da RAND Corporation, publicado na edição de Novembro da revista Pediatrics, revelou que existe uma forte relação entre as gravidezes adolescentes e o conteúdo sexual dos programas de televisão.

Segundo o estudo, difundido este domingo pela cadeia CNN, adolescentes com alto nível de exposição a programas com conteúdo sexual estiveram duas vezes mais propensas a ficar grávidas que as que viram menos programas desse tipo em um período de três anos.

«Sabemos que se uma criança está a ver mais de uma hora de televisão por dia, e sabemos que há uma cena sexual no conteúdo a cada 10 minutos, então está a receber uma quantidade considerável de conteúdo sexual», disse Anita Chandra, autora principal do estudo e científica condutual no RAND.

A investigação analisou os resultados de três pesquisas entre 2000 adolescentes de idades entre 12 e 17 anos durante os anos de 2001 a 2004. O estudo focou-se nos resultados dos mais de 700 participantes em todos os Estados Unidos que já tinham tido relações sexuais para o momento da terceira sondagem.

Para a professora de pediatria clínica da Escola de Medicina Morehouse e Directora médica do Centro de Excelência em Saúde Sexual, Wimberly Yolanda, a relação não é surpreendente.

Nesse sentido, a professora aconselhou os pais a falarem com seus filhos sobre estes temas e ensinem valores morais, porque poderão limitar sua exposição ao conteúdo sexual nos meios, já que também está a influência dos amigos e da Internet.

Conforme informou a CNN, os peritos assinalam que os programas de televisão quase nunca retratam os riscos do sexo. Indicou que anteriores investigações também mostraram que os adolescentes com maior exposição a estes conteúdos são mais propensos a terem relações sexuais pela primeira vez no ano seguinte.

Telemóveis: a doença do século?

António Gentil Martins 

 
Sempre pensámos que não é lícito extrapolar experiências com ratos com o que acontecerá no homem: porém, esses resultados não podiam ser simplesmente ignorados. Por outro lado, estudos feitos no ser humano, embora não seguramente esclarecedores, apontavam para indiscutíveis perigos, que agora, com a sua idoneidade, a Organização Mundial de Saúde veio confirmar. Daí impor-se ter consciência dos problemas e saber como melhor utilizá-los, agora que se tornaram, como os computadores, um elemento indispensável no mundo dito civilizado.Assim sendo, e não conseguindo prescindir do seu uso, importa fazê-lo com moderação e prudência, usando as suas vantagens mas evitando, tanto quanto possível, os seus inconvenientes. Cada um deve, pois, decidir-se, estando consciente do que faz.

Vantagens:
Facilidade de comunicação, mobilidade, mais as que cada qual achar ou entender.

Desvantagens:
Perigo de ficar «viciado» no seu uso; contas telefónicas crescentes e insustentáveis; perigo pelas radiações electromagnéticas, de baixa frequência: dores de cabeça, zumbidos, náuseas, calor local Insónias, fadiga; maior incidência de tumores cerebrais; perdas de memória, dificuldades de aprendizagem; dificuldades de visão, ardor irradiando à face; alergias cutâneas e sensação de queimadura; lesões genéticas nos glóbulos do sangue (quebra do DNA ).

Como minimizar as desvantagens:
Fale durante o menor tempo possível (só recados curtos e nunca longas conversas, como os namorados gostam de fazer).
Afaste, quanto possível, o telemóvel da cabeça, ao atender (pois é nesses momentos que se produz mais radiação.
Use alternadamente o lado esquerdo e o lado direito.
Ao ligar e ao atender faça uma pequena espera (é ao ligar e desligar que a radiação é mais intensa).
Tenha sempre o telemóvel com a carga máxima (com carga baixa emite mais radiação).
Afaste-se dos outros quando fala.
Evite falar no carro (mesmo parado...) ou em espaços fechados. Os objectos metálicos reflectem a radiação, acentuando a dose de radiação.
Se tem kit de mãos livres, assegure-se de que tem antena exterior.
Use o auricular apropriado (mas não coloque o telemóvel junto ao baixo ventre ou no bolso das calças, e não o vire para dentro).
Não use armações metálicas nos óculos (aumenta cerca de 20% a irradiação).
Use bolsas com écrãs protectores: estas reflectem as ondas electromagnéticas, afastando-as do utilizador.
Ao falar, mantenha o protector da antena subido.
Sendo as crianças particularmente sensíveis e vulneráveis à irradiação electromagnética dos telemóveis, deve-lhes ser vedado, ou pelo menos limitado, o seu uso ( situações de emergência).
Os telemóveis nunca poderão ser considerados como brinquedos!

A Caverna Mágica

Era uma vez uma mulher que morava numa casinha modesta ao pé de uma montanha onde havia uma grande floresta. Tinha um filho  que amava muito.
No Verão, a mulher levou o filho para colher frutas que havia na floresta. Subiram a montanha e chegaram a um lugar cheio das maiores, mais vermelhas e mais saborosas frutas que já tinham visto.
Colheram as que conseguiram. Mas logo que a mulher encheu a cesta, viu abrir-se a porta de uma grande caverna diante dela. Enormes pilhas de ouro brilhavam no chão. Escutou então uma voz grandiosa que lhe dizia:
- Entre, boa mulher - disse – e leve todo o ouro conseguir carregar de uma só vez, até que oiça o barulho de um sino.
A mulher entrou na caverna e, segurando o filho pela mão, pegou um punhado de moedas de ouro e pôs no avental. Mas o toque do ouro despertou uma enorme cobiça e, esquecendo o filho, pegou em mais dois punhados de moedas e, ao escutar a batida do sino, saiu a correr  da caverna.
No mesmo instante ouviu um estrondo atrás dela e uma voz trovejou:
- Mulher infeliz! Perdeu o seu filho até o próximo Verão!
A porta da caverna fechou-se e a criança ficou presa lá dentro. A pobre mulher torceu as mãos desesperada, chorou e implorou, mas não adiantou, e  foi para casa sem o filho. Voltou todos os dias ao local, mas a porta nunca se abriu e ela não conseguiu mais encontrar a caverna.
No ano seguinte, no primeiro dia do Verão, ela acordou bem cedo e foi rapidamente ao local.
Ao chegar encontrou a porta aberta. As pilhas de ouro brilhavam no chão, e ao lado estava o seu filho num sono profundo. Escutou então a voz que lhe disse:
 - Entre, boa mulher, e leve todo o ouro puder carregar de uma só vez.
A mulher entrou na caverna e, sem sequer olhar para o ouro, agarrou o filho e tomou-o nos braços. A voz então  disse-lhe:
- Boa mulher, leve o menino para casa. Ele foi-lhe devolvido, pois agora o seu amor é maior que a cobiça.

 Fonte: autor desconhecido

sábado, 10 de dezembro de 2011

Ciúmes em Família: Brigas entre irmãos

André Pessoa *
Depois da chegada do novo irmão, e vencida a manifestação dos primeiros ciúmes, os pais esperam que os filhos se amem, naturalmente compartilhem tudo, sejam solidários e cedam com tranquilidade. Ao contrário, observa-se que os pais terminam por padecer com a crescente rivalidade, hostilidade e brigas intermináveis entre seus filhos.

Para correr, é natural que antes se aprenda a andar, o que acontece à custa de inúmeros tombos. O comportamento virtuoso também requer muito esforço, suor, aprendizagem e experimentação. No confronto, os irmãos aprendem a procurar saídas, a negociar, a ceder, a conhecer seus próprios limites e capacidades. As desavenças permitem a vivência da agressividade de maneira não destrutiva, e a oportunidade de adquirir controle sobre os próprios sentimentos. Reconhecer que a luta vale a pena ser disputada é uma conquista valiosa. Esse processo de aprendizagem não é instantâneo. Evolui com a idade e o objecto de disputa. É educação efectiva, estruturação do carácter e personalidade, que os irmãos proporcionam-se continuamente.  

As brigas entre irmãos deveriam ser resolvidas entre eles. O sábio ditado que entre marido e mulher não se mete a colher, vale também para as desavenças fraternas. Hoje é comum que os pais interfiram nessas brigas precocemente. Seja porque se revoltam pela irrelevância e banalidade do objecto e motivo da desavença, seja porque os ciúmes são os verdadeiros motivos. Os pais não deveriam interferir, pois é difícil que o façam sem tomar partido, o que acaba por gerar ressentimentos. Ambos amam os pais e desejam seu amor exclusivamente para si.

Os pais, que observam a briga, deveriam intervir somente se a discussão ficar violenta e injusta, em palavras ou actos, quando os filhos perdem o controlo e o respeito mútuo. Interferem, não para dar solução à desavença, mas para fazê-los ver que é possível se expressar e argumentar sem destruir e ofender o outro. Amainam os ânimos, sem exageros, para não dar a entender que os filhos são perigosos uns para os outros. Ao contrário, com carinho e um «deixa-te disso», para que aprendam a  controlar-se, a desculpar e a fazer as pazes. O adulto, com tolerância e controle, auxilia aos filhos a encontrar os seus limites.

Evitar que o ciúme se manifeste é uma tarefa árdua dos pais já discutida noutros artigos. Os mais novos reclamam das regalias e responsabilidades que desfrutam os mais velhos, e esses dos carinhos e atenção dispensado aos mais novos, que eles também tiveram à seu tempo. Há sempre a desconfiança de que o outro é mais privilegiado, assim como o jardim do vizinho é mais verde.

Se ao mais velho, por exemplo, se passar o encargo de ajudar na educação dos menores, pode acontecer que queira assumir o papel dos pais tentando impor-se e corrigir aos irmãos sem autoridade de facto. Não devemos diminuir sua responsabilidade, mas sim lhe fazer ver que a ajuda que se espera é principalmente a de ser bom exemplo aos menores. Recai sobre o mais velho a dura tarefa de ser o primeiro a ceder nas brigas, principalmente se a diferença de idades é maior. Saber calar para terminar uma discussão interminável tem mais valor do que se concluir quem tem razão, pois o esforço de abdicar da réplica pressupõe crescimento em virtudes.

As brigas são naturais, mas incomodam aos pais pelo barulho que provocam e porque custa ver que os filhos são feitos de barro. Não são o problema, e sim a solução, pois por meio delas os irmãos aprendem a conviver. Há tantas outras situações que são mais graves, como a desobediência ou mentira, e que passam despercebidas ou esquecidas por serem silenciosas.

É importante que as desavenças aconteçam entremeadas de longos momentos de boa convivência e harmonia. À medida que os filhos entendem as diferenças de personalidade e opinião, encontram seus espaços e gerenciam o proteccionismo dos pais, conseguem manter uma relação de amizade e respeito mútuo, e as brigas espaçam-se. É sinal de amadurecimento.

O amor fraternal nasce no momento mágico da chegada do novo irmão, e perdura por toda a vida. Se antes achavam que o outro era um privilegiado, terminam por concluir que ambos o são por se terem mutuamente. Parabéns aos pais que proporcionam a seus filhos o privilégio de terem irmãos.


* André Pessoa é pai de seis filhos, Mestrado em Orientação Familiar por Navarra, ministra cursos e palestras de Educação de Filhos desde 1995; Graduado pelo IME (Engenharia), Pós-Graduado pela PUC (Administração), FGV (Contabilidade Gerencial), ISE (Programa de Treino de Executivos) e Navarra (Orientação Familiar); Consultor da Accenture.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

7 dicas para administrar a mesada dos filhos

Marcelo Guterman *
Dar mesada aos filhos é uma forma muito inteligente de educá-los financeiramente. A mesada permite que eles comecem a entrar no maravilhoso mundo do consumo pela porta correta, ou seja, sabendo que o orçamento é limitado. Mas algumas armadilhas devem ser evitadas, para que a experiência não seja frustrante para ambos os lados (pais e filhos).
1. Deixe bastante claro o que é abrangido e o que não é abrangido pela mesada: lanche da escola, passeios, CDs, créditos de celulares, etc. etc. Deve haver um "contracto" entre pais e filhos determinando o que deve ser pago com a mesada, e o que continua sendo pago pelos pais. Não há uma receita única, mas quanto mais velho o filho, mais coisas e actividades deveriam ser abrangidas pela mesada. Claro, é sempre muito difícil determinar tudo à priori. Os casos não especificados devem ser decididos caso a caso com cuidado, pois servirão de jurisprudência dali em diante.
2. O valor da mesada dependerá do item 1: quanto mais abrangência, maior deve ser. Mas não fique com peso na consciência se o cobertor do filho ficou curto, e eles começam a reclamar de que a mesada é pequena. A criança ou jovem devem começar o quanto antes a «praticar» o jogo do salário que não chega ao fim do mês.
3. Em hipótese alguma adiante mesada. Eles devem saber exercitar a paciência, que lhes será útil ao longo da vida, e conseguir poupar para comprar algo mais caro. Adiantar a mesada é dar crédito, e acostumá-los com isso desde cedo pode ser muito perigoso.
4. Para os jovens que reclamam do tamanho da mesada, incentive-os a fazerem alguma coisa para ganhar mais dinheiro: prestar algum serviço, dar aulas particulares, fazer bicos em lojas. Começarão a notar, na prática, o quão suado é ganhar dinheiro.
5. Deixe que eles gastem o dinheiro da mesada como eles bem entendem. Às vezes vemos que eles vão gastar o dinheiro com bobagem, e temos a tentação de interferir. Enquanto não envolver algo que pode ser realmente muito prejudicial para as suas vidas (drogas, bebidas) devemos deixar os filhos errarem, para que aprendam com seus próprios erros. A tarefa dos pais é, depois, ajudar o filho a raciocinar e concluir onde foi o erro.

6. Não gastar nunca nada é tão ruim quanto gastar tudo de uma vez. Há crianças que simplesmente não gastam o dinheiro com nada. É preciso estimulá-las a gastar o dinheiro com coisas boas, de que elas gostam. Um passeio em uma livraria, por exemplo, pode ser um bom lugar para gastar uma parte do dinheiro acumulado.7. Seja pontual no pagamento. Lembre-se, trata-se de um contrato, e que deve ser respeitado por ambas as partes, sob pena de perda de credibilidade.

* Marcelo Guterman é CFA (Chartered Financial Analyst), Engenheiro, Executivo do mercado financeiro, Professor do MBA de Finanças do IBMEC e pai de 7 filhos. É criador do Blogue do Dr. Money, onde passa conceitos e dicas sobre Finanças Pessoais de maneira leve e divertida.

O aborto e o nascituro no Direito Internacional
A Declaração de S. José

A Declaração de S. José

Texto e Assinaturas

Artigo 1.º
É um facto científico que uma nova vida humana começa na concepção.

Artigo 2.º
Cada vida humana é um contínuo que começa na concepção e avança por etapas até à morte. A ciência dá nomes diferentes para essas etapas, incluindo zigoto, blastocisto, embrião, feto, bebé, criança, adolescente e adulto. Isto não altera o consenso científico de que, em todos os pontos do seu desenvolvimento, cada indivíduo é um membro vivo da espécie humana.

Artigo 3.º
Desde a concepção, cada criança ainda não nascida já é, por natureza, um ser humano.

Artigo 4º
Todos os seres humanos, como membros da família humana, têm direito ao reconhecimento de sua inerente dignidade e à protecção dos seus direitos humanos inalienáveis. Isto é reconhecido na Declaração Universal dos Direitos Humanos, no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, e em outros instrumentos internacionais.

Artigo 5.º
Não existe o direito ao aborto como direito reconhecido na lei internacional, nem por meio de qualquer tratado nem como obrigação de direito internacional consuetudinário. Nenhum tratado das Nações Unidas pode rigorosamente ser citado como estabelecendo ou reconhecendo um direito ao aborto.

Artigo 6.º
O Comité para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (Comité CEDAW), e outras entidades de acompanhamento do tratado, têm-se dirigido a Governos no sentido de mudarem as suas leis sobre o aborto. Estes órgãos têm, explícita ou implicitamente, interpretado os tratados a que estão sujeitos como incluindo o direito ao aborto.
Este organismos de controlo não têm nenhuma autoridade, nem concedida pelos tratados que os criaram, nem concedida pelo direito internacional geral, para interpretar os tratados de maneira a criar novas obrigações para os Estados ou a alterar o conteúdo dos tratados.
Assim, qualquer órgão, que interprete um tratado para incluir um direito ao aborto, actua fora da sua autoridade e em violação do seu mandato. Tais actos "ultra vires" [i.e. para além do respectivo poder] não criam quaisquer obrigações legais para os Estados Partes do tratado, nem devem os Estados aceitar as suas contribuições para a formação de um novo direito internacional consuetudinário.

Artigo 7.º
São falsas, e devem ser rejeitadas, quaisquer afirmações de agências internacionais, ou de entidades não-governamentais, no sentido de que o aborto é um direito humano.
Não há nenhuma obrigação legal internacional de fornecer acesso ao aborto, seja qual for o fundamento invocado, nem por razões de saúde, nem de privacidade ou autonomia sexual, nem de não discriminação.

Artigo 8.º
De acordo com os princípios básicos da interpretação dos tratados de direito internacional, baseados nas obrigações de boa fé e no princípio "pacta sunt servanda" [que diz: os pactos lealmente celebrados devem ser fielmente cumpridos], e no exercício da sua responsabilidade de defender as vidas do seu povo, os Estados podem e devem invocar as disposições do Tratado que garantem o direito à vida como abrangendo uma responsabilidade do Estado de proteger o nascituro contra o aborto.

Artigo 9.º
Governos e membros da sociedade devem assegurar que as leis e políticas nacionais protejam o direito humano à vida desde a concepção. Devem também rejeitar e condenar as pressões para aprovar leis que legalizem ou despenalizem o aborto.
Órgãos de acompanhamento de tratados, agências das Nações Unidas, entidades oficiais, tribunais regionais e nacionais, e outros órgãos ou entidades devem desistir de afirmações implícitas ou explícitas de um direito ao aborto com base na lei internacional.
Quando tais falsas afirmações ou pressões são feitas, os Estados-Membros devem exigir a respectiva responsabilização no quadro das Nações Unidas.
Fornecedores de ajuda ao desenvolvimento não devem promover ou financiar abortos. E não devem condicionar a sua ajuda à aceitação do aborto por parte dos que são ajudados.
O financiamento internacional de programas de cuidados de saúde materno-infantil deve garantir que o resultado da gravidez seja saudável para a mãe e para a criança; e deve ajudar as mães a acolher a vida nova em todas as circunstâncias.
Nós - juristas e advogados de direitos humanos, académicos, políticos eleitos, diplomatas, médicos e especialistas em política internacional - subscrevemos estes artigos.

São José, Costa Rica, 25 de Março de 2011

* Instituições nomeadas apenas com fins de identificação

Assinaturas:
Lord David Alton, Câmara dos Lordes, Grã-Bretanha
Carl Anderson, cavaleiro supremo, Knights of Columbus
Giuseppe Benagiano, Professor de Perinatologia, ginecologia e puericultura - Università "La Sapienza", Roma, ex-Secretário Geral - Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia (FIGO)
Hon. Javier Borrego, ex-juiz, Tribunal Europeu dos Direitos Humanos
Christine Boutin, ex-ministro - Governo da França, atual presidente do Partido Democrata Cristão
Benjamin Bull, advogado-chefe, Alliance Defense Fund
Hon. Martha De Casco, membro do Parlamento, Honduras
Hon. Tom Coburn M.D., Membro, Senado dos Estados Unidos
Jakob Cornides, advogado de direitos humanos
Professor John Finnis, Oxford University, University of Notre Dame
Professor Robert George, McCormick Professor de Direito, Universidade de Princeton, ex-membro do Conselho do Presidente sobre Bioética
Professor John Haldane, Professor de Filosofia da Universidade de St. Andrews
Patrick Kelly, Vice-Presidente de Políticas Públicas, Knights of Columbus
Professor Elard Koch, Faculdade de Medicina da Universidade de Chile
Professor Santiago Legarre, Professor de Direito da Pontificia Universidad Catolica Argentina
Leonard Leo, Ex-Delegado da Comissão de Direitos Humanos da ONU
Yuri Mantilla, Diretor de Assuntos Governamentais Internacionais, Focus on the Family
Hon. Elizabeth Montfort, antigo membro do Parliamant Europeu
Cristobal Orrego, Professor de Direito, Universidade dos Andes (Chile)
Gregor Puppinck, Diretor Executivo, Centro Europeu de Direito e da Justiça
Grover Joseph Rees embaixador, ex-embaixador dos EUA a Timor Leste, representante especial dos EUA para a ONU sobre questões sociais
Austin Ruse, presidente da C-FAM
William Saunders, Advogado Direito Humano, Vice-Presidente Sênior, Americanos Unidos pela Vida, antigo delegado para a Assembléia Geral da ONU
Alan Sears, Presidente, CEO e General Counsel, Alliance Defense Fund
Marie Smith, Presidente, Rede Parlamentar para Questões Críticas
Professor Carter Snead, Membro da Comissão Internacional de Bioética, da UNESCO e ex-observador permanente dos EUA Comité do Conselho da Europa Director para a Bioética, da Universidade de Notre Dame Faculdade de Direito
Douglas Sylva, Delegado à Assembléia Geral da ONU
Hon. Francisco Tatad, ex-líder da maioria, do Senado filipino
Hon. Luca Volonte, Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, o presidente do Partido Popular Europeu (PACE)
Lord Nicholas Windsor, membro da família real do Reino Unido
Susan Yoshihara, diretor, Organizações Internacionais Grupo de Pesquisa
Anna Záborská, Membro do Parlamento Europeu, ex-presidente, da Comissão da Mulher do Parlamento Europeu

Aumenta o número de adolescentes
que fazem sexting

Paula Cosme Pinto, Expresso


São muitas as fotos e os vídeos com teor erótico e sexual que circulam nos telemóveis e emails. Sexting foi o nome arranjado para esta partilha de conteúdos, que cada vez mais cresce entre os adolescentes sem que estes se apercebam dos perigos inerentes à exposição da sua intimidade.

«Autoridades públicas, legisladores e educadores enfrentam um aumento do número de jovens que se autoretratam durante as relações sexuais e ainda uma minoria que grava essas imagens e depois as divulga, tanto pelo telemóvel como pela Internet», avisa o Centro de Investigação de Crimes Contra Menores da Universidade de New Hampshire, que acaba de publicar os resultados do primeiro estudo nacional dos EUA sobre o sexting.

Em causa fica a possibilidade destes conteúdos chegarem às mãos de gente desconhecida, rompendo a privacidade dos adolescentes e deixando-os vulneráveis a perseguições e chantagens, explicam os especialistas.

Raparigas são quem mais se deixa fotografar

O estudo, publicado na revista «Pediatrics», contemplou um universo de mais de 1500 adolescentes, com idades entre os 10 e os 17 anos. Além de todo um questionário generalista, havia cinco questões relacionadas com o sexting: «Alguma vez te enviaram fotos e vídeos de menores de 18 anos nus, ou semi-nus? Já reenviaste alguma imagem de um menor? Já foste fotografado sem roupa? Alguém te fotografou? Alguma vez tiraste uma foto de menores nus?»

Cerca de 10% dos inquiridos reconheceram ter fotos suas sem roupa, terem contribuído para a sua realização e também terem recebido fotos de outros menores, no último ano. Pelo menos 39 adolescentes disseram ter-se fotografado a si próprios nus e enviado as imagens. Na sua maioria, raparigas com 16 e 17 anos.

De acordo com os investigadores, entre os argumentos dados pelos adolescentes a curiosidade surge no topo. «Não tinha namorado e sentia curiosidade de saber o que outras pessoas achariam do meu corpo", explicou uma das adolescentes. Contudo, "a maioria reconhece que o fez como parte de uma relação amorosa».

A investigação concluiu ainda que 30% dos inquiridos tirou ou enviou fotos suas sem roupa sob o efeito de drogas e álcool.


Fotos e vídeos de adolescentes nus ou durante as relações sexuais circulam cada vez mais por telemóvel e email, violando a sua privacidade. Mas muitas vezes são eles os próprios autores das imagens.

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Império homossexual

[Clique na imagem para descarregar o vídeo]

Senador Magno Malta, bravo! Precisamos também em Portugal de politicos assim, que defendam a familia.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

S.O.S. PELA FAMÍLIA

Homoparentalidade versus filiação
A ideologia do género, na sua escalada contra a família natural, obteve no ano passado uma importante vitória, com a aprovação parlamentar do casamento legal entre pessoas do mesmo sexo. Uma tal reforma subverteu, em termos legais, o matrimónio civil, agora equiparado à união de duas pessoas do mesmo sexo. Mas, como a lei em vigor não permite que estas uniões possam adoptar, está em curso uma tentativa de substituir o conceito de filiação pela volátil noção de «homoparentalidade».

Ler mais em:

http://maislusitania.blogspot.com/2011/12/sos-pela-familia.html

«Barrigas de Aluguer»

Pedro Vaz Patto

Foi anunciada a apresentação, pelo Bloco de Esquerda, de um projecto de lei que altera a regulação da procriação medicamente assistida, designadamente no que se refere à chamada «maternidade de substituição» (vulgarmente conhecida como «barriga de aluguer»), isto é, a situação em que a mulher se dispõe a suportar uma gravidez por conta de outrem e a entregar a criança após o parto, renunciando aos poderes e deveres próprios da maternidade. Pretende-se tornar lícita tal prática quando não lucrativa, indo, assim, de encontro aos desejos de casais inférteis devido a patologias não superáveis de outro modo, e evitando, através de um regime transparente, os abusos da exploração lucrativa.

Há que salientar, porém, que os malefícios da maternidade de substituição não decorrem apenas, nem principalmente, da sua eventual exploração lucrativa e que a experiência de outros países tem revelado a extrema dificuldade em impedir a comercialização encapotada por detrás da suposta não onerosidade dos contratos.

O filho nunca deixa de sentir o abandono da «mãe de substituição». Cada vez se conhece melhor os intercâmbios entre a mãe gestante e o feto e a importância desse intercâmbio para o salutar desenvolvimento físico, psicológico e afectivo deste. Esse intercâmbio ajuda a construir a própria identidade da criança. Esta não poderá experimentar a segurança de reconhecer, depois do nascimento, o corpo onde habitou durante vários meses.

A «mãe de substituição» também sofre graves danos porque uma qualquer mulher não fica indiferente ao que lhe acontece quando está grávida. Este estado não é uma actividade como qualquer outra; transforma a vida da mulher física, psicológica e moralmente. Esta não pode deixar de viver a gravidez como sua e de sofrer com o abandono do filho. É, por isso, compreensível que, mais tarde, queira ter o direito de visitar o seu filho (e o que lhe responder, então, quando a lei lhe nega esse direito?). O útero é inseparável do corpo e da pessoa, não é um alojamento temporário, ou um instrumento técnico.

Dir-se-á que tudo isto já sucede quando uma criança é abandonada ou «dada» para adopção. Mas essa é uma situação que não pode ser evitada (se tal fosse possível, seria evitada). Aqui, estamos perante um abandono deliberadamente programado, institucionalizado pela lei, que veda a obrigação mais natural que existe: a de assumir a vida que se gerou.

A investigação empírica vem demonstrando que, quase sempre, só situações de grande carência económica (não o altruísmo) levem mulheres a sujeitar-se a tão traumatizante experiência (não é por caso que a prática se vem difundindo na Índia). A «compensação de despesas» acaba por ter efeitos idênticos aos do pagamento. E será sempre difícil o controlo judicial de compensações indirectas ou não monetárias.

Na instrução da Congregação para a Doutrina da Fé Domum Vitae, de 1987, afirma-se (II, A, 3), a respeito da «maternidade de substituição», que «representa falta objectiva contra as obrigações do amor materno, da fidelidade conjugal e da maternidade responsável; ofende a dignidade e o direito do filho a ser concebido, levado no seio, posto ao mundo e educado pelos próprios pais; em detrimento da família, instaura divisão entre os elementos físicos, psíquicos e morais que a constituem». Mais genericamente, também aí se afirma (II, B, 8), a respeito do pretenso «direito ao filho» frequentemente invocado para justificar esta prática: «Um verdadeiro e próprio direito ao filho seria contrário e sua dignidade e à sua natureza. O filho não é algo devido e não pode ser considerado como objecto de propriedade; é um dom, ''o maior'' e o mais gratuito dom do matrimónio, e é testemunho vivo da doação recíproca dos seus pais.»

Mas a oposição à legalização desta prática vem também de sectores ditos «progressistas» e «de esquerda», que a consideram um grave retrocesso social. É o que faz, de forma muito categórica, o documento Mères Porteuses; Extension du Domaine de l´Aliénation elaborado no âmbito da fundação Terra Nova – La Fondation Progressiste. Nele se afirma que a maternidade de substituição representa «a mais recente e a mais chocante das extensões do domínio da alienação», ou seja, da coisificação e instrumentalização da pessoa, assim ferida na sua iminente dignidade. E de que são principais vítimas as mulheres mais pobres.

sábado, 10 de setembro de 2011

Polémica por doador de esperma ter 150 filhos
nos Estados Unidos

O diário New York Times difundiu esta semana a história de Cinthya Daily, uma mulher que descobriu que o bebé que concebeu há sete anos com sémen de um doador tem pelo menos 150 meio-irmãos, um caso que evidência como o milionário negócio da fecundação artificial está fora de controlo.

Nos Estados Unidos não há um limite oficial para conceber crianças de um único doador de sémen e o caso de Daily confirmou as críticas de diversos peritos sobre a massificação das práticas de fecundação artificial e seus riscos.

O jornal admite que "existe uma crescente preocupação entre os pais, os doadores e os peritos médicos sobre as possíveis consequências negativas de ter tantos filhos gerados pelos mesmos doadores, incluindo a possibilidade de os genes de enfermidades raras poderem propagar-se mais amplamente através da população".

"Alguns peritos até chamaram a atenção sobre o aumento das probabilidades de incesto acidental entre irmãos, que frequentemente vivem perto uns dos outros", acrescenta o jornal.

A reportagem também informa que à medida que mais mulheres optam por ter filhos por conta própria, e o número de crianças nascidas por inseminação artificial aumenta, começam a aparecer grupos de irmãos doadores em redes sociais a partir dos números únicos de identificação dos doadores de esperma.

"Os críticos dizem que as clínicas de fertilidade e bancos de esperma têm enormes benefícios ao permitir que muitas crianças sejam concebidas com esperma de doadores populares, e que as famílias deveriam receber mais informação sobre a saúde dos doadores e as crianças concebidas", explica.

"Temos mais regras para comprar um automóvel usado do que para adquirir esperma", afirmou Debora L. Spar, presidente do Barnard College e autora do livro The Baby Business: How Money, Science, and Politics Drive the Commerce of Conception (O negócio dos bebés: Como o Dinheiro, a Ciência e a Política Conduz o Comércio da Concepção).

Para Spar nenhuma relação comercial tem tão poucas regras como a indústria da fertilidade pois embora outros países, incluindo a Grã-Bretanha, França e Suécia, limitem o número de filhos de um doador de esperma, este limite não existe nos Estados Unidos.

Ninguém sabe quantas crianças nascem nos Estados Unidos de doadores de esperma. Segundo algumas estimativas, o número flutua entre 30 mil e 60 mil. Requer-se das mães que informem voluntariamente sobre o nascimento de uma criança gerada com esperma mas apenas 20 até 40 por cento delas o faz, conforme explicou Wendy Kramer, fundadora do registo de irmãos de doadores compatíveis.

Kramer teve seu filho Ryan, agora de 20 anos, através de um doador de esperma e no ano 2000 iniciou o registo para ajudar a contactar famílias com filhos como o seu. No seu registo, os pais podem inscrever o nascimento de um menino e encontrar meios-irmãos através do número atribuído a cada doador de esperma.

Segundo Kramer, muitos pais de família se surpreendem ao saber quantos meios-irmãos sua criança tem.

"Alguns pensam que a sua filha pode ter poucos irmãos, mas quando vão ao nosso site verificam que na realidade ela tem 18 irmãos e irmãs. Estão assustados. Estou surpresa de estes grupos estarem a aumentar", indicou.

Kramer acredita que certos bancos de esperma nos Estados Unidos trataram as famílias com pouca ética e é hora de considerar uma nova legislação que limite este negócio.

A fecundação in vitro é contrária à ordem natural da sexualidade e atenta contra a dignidade dos esposos e do matrimónio. Em segundo lugar, a técnica supõe a eliminação de seres humanos em estado embrionário tanto fora como dentro do ventre materno, implicando vários abortos em cada processo.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Menina desaparecida


Caso tenha alguma novidade agradeço por favor que contacte os seguintes números:
Maria ( mãe ): +351 924095135 ( Portugal)
Maria casa: +351 289054452
GNR ( polícia de LOULÉ): +351 289 410496

Educação
-------------
Da doença mental pedagogista e igualitarista
ao egoísmo liberal contra as famílias

Heduíno Gomes

Vivemos há decénios sob o domínio dos doentes mentais pedagogistas e igualitaristas na educação, que produziram a miséria de ensino que conhecemos. Eis que agora os liberais ganham fôlego e pretendem tomar o seu lugar para conduzirem o sistema à anarquia total (sim, ainda é possível haver mais anarquia do que a que existe!), bem calculada ao sabor dos interesses do complexo pedagogico-industrial e das famílias com posses para colocar os seus rebentos nos colégios ricos.

Curiosamente, esta guerra tem vindo a ser especialmente travada por um certo número de católicos de salão atrás do «Fórum para a Liberdade de Educação», que assim demonstra bem os seus sentimentos caridosos a coçar-se para dentro.

Ler mais em:









terça-feira, 30 de agosto de 2011

O liberalismo contra as famílias

O liberalismo é um cancro que ataca as famílias no campo da moral, da educação e também no da economia. As famílias argentinas que o digam.

Veja o vídeo:


terça-feira, 26 de julho de 2011

As estrelas cadentes e decadentes

João J. Brandão Ferreira

A actriz Amy Winehouse morreu.

Numa sociedade “equilibrada” ler-se-ia no seu epitáfio o cristianíssimo “paz à sua alma”. Epitáfio cristão, simples e … pudico.

Ler mais em:






sábado, 11 de junho de 2011

O Texas dificulta o aborto

O governador do Texas (Estados Unidos), Rick Perry, assinou o Projecto de Lei 15, que entra em vigor em Setembro e exige que uma mulher realize um ultra-som antes de decidir praticar um aborto.
«Toda a vida perdida por um aborto é uma tragédia que todos devemos procurar », disse Perry a 24 de Maio. Afirmou que com «esta importante lei se assegurará de que toda a mulher no Texas que procura realizar um aborto conhecerá todos os factores sobre a vida que transporta e entenderá  o devastador impacto que tem esta decisão».
A lei estabelece que um médico deve realizar um ultra-som 24 horas antes de um aborto, excepto em casos de emergência médica, e mostrar a imagem à mãe, para que ela escute os batimentos do coração do feto.
Entretanto, a mulher pode optar por não ver a imagem ou escutar os batimentos do coração. Para isso deverá assinar uma declaração antes que se faça o ultra-som.
Também poderá negar-se a receber a explicação do ultra-som se a gravidez é resultado de um estupro ou incesto, se for uma menor de idade com permissão judicial para praticar o aborto ou se o feto tiver uma condição médica irreversível ou anormalidade.

domingo, 1 de maio de 2011

A crise, a alienação política e o "homem novo"

Pedro Afonso, Médico Psiquiatra, SOL, 8.Abril,2011

Nos últimos tempos tem sido utilizado, por diversas vezes, o termo "esquizofrenia" no discurso dos líderes partidários. Não obstante discordar da utilização de termos médicos no linguajar político, devo admitir que, pelo que temos assistido nos últimos tempos no nosso país, seja inevitável dar um nome ao destempero que parece ter tomado conta de alguns dos nossos políticos, cujas decisões não parecem enquadrarem-se no nosso mundo, mas noutra realidade; uma realidade psicótica.
Sou de uma geração de psiquiatras que, devido aos avanços farmacológicos, ao longo dos últimos anos tem assistido com entusiasmo à diminuição dos internamentos de doentes com patologias psiquiátricas mais graves. Simultaneamente presencio, com perplexidade e impotência, ao aumento de internamentos de indivíduos com "doenças sociais", para as quais os psicofármacos não têm solução. Mas como é que se promove aalienação de uma sociedade?
As enfermarias psiquiátricas enchem-se quando se transmite aos portugueses a ideia delirante de que o trabalho não é o único meio para alcançar a riqueza e o progresso; ou seja, quando se divulga a ideia de que o dinheiro se pode multiplicar indefinidamente, desligado de uma riqueza de índole natural. Com esta mensagem, arrojada e moderna, gerou-se uma ânsia facilitista, alimentada por um consumo crescente e um crédito fácil. O indivíduo inconformado com a sua pobreza, foi instigado a lutar contra a injustiça capitalista, endividando-se compulsivamente, sem compreender que, com este acto irreflectido, estava a destruir-se a si mesmo.
O consumo serviu, durante algum tempo, para anestesiar a dor e o sentimento de revolta de quem sempre trabalhou muito e enriqueceu pouco. Portanto, foi-se mantendo o povo, absorto e adormecido, nesta frivolidade materialista. O Estado, indolente e anafado, aparentemente nada fez para contrariar esta alienação, parecendo até que desejava mantê-la. E o atrevimento foi grande. Recorrendo a uma máquina de propaganda bem montada, multiplicaram-se as cerimónias faustuosas de consagração pública de um paraíso e bem-estar que, na verdade, nunca existiram. E foi neste ambiente tresloucado que surgiram dois tipos de posturas políticas: os que que procuravam defender a realidade e os que promoviam a alienação. Enquanto os primeiros mostravam-se abertos a reavaliar as suas opiniões, à medida que se confrontavam com a consistência dos factos, os segundos apresentavam a extraordinária capacidade de perseverar na fantasia e de incorporar no discurso político todas as contradições que inevitavelmente acabavam por surgir. Curiosamente, foram "os mercados" (os mesmos que meses antes se dedicavam a alimentar a ilusão da nossa falsa riqueza) que terminaram com a disputa entre as duas visões políticas.
Convém reconhecer que os urdidores da política fantasmagórica, que grassou entre nós, deram provas de uma grandiosa perícia: fizeram crer que Portugal necessitava urgentemente de um "homem novo", preferencialmente laico, doutrinado pelo Estado, desvinculado da família, relativizando o valor da vida humana e defendendo com ardor uma moral subjectiva. Foi com a alegria própria de um sábio e a segurança de um déspota que nos disseram que o país necessitava de grandes reformas, já que estava dominado por um enorme atraso social e submetido a um feroz pensamento retrógrado. Mas em vez de destruírem o atraso, destruíram as mentes sadias de muitos portugueses.
Cada um pode extrair os ensinamentos que quiser deste interstício de insanidade, onde o sonho substitui a acção e o sonhado tem o valor de vivido; onde a mentira e a verdade se tornam indistinguíveis. Seja como for, recuso-me a acreditar em qualquer tipo de "homem novo" arquitectado politicamente. Recuso-me a aceitar que os portugueses se tornem num povo lobotomizado e que o país se transforme num manicómio com paredes invisíveis, onde cada um é acometido por uma profunda indiferença para com os acontecimentos que se passam em redor, mesmo quando colidem com os seus interesses vitais.

sábado, 9 de abril de 2011

O que é o bullying?

O bullying é um comportamento consciente, intencional, deliberado, hostil e repetido, de uma ou mais pessoas, cuja intenção é ferir outros. O bullying pode assumir várias formas e pode incluir diferentes comportamentos, tais como:

 Violência e ataques físicos
 Gozos verbais, alcunhas e insultos
 Ameaças e intimidações
 Extorsão ou roubo de dinheiro e pertences
 Exclusão do grupo de colegas

O bullying é uma afirmação de poder através de agressão. As suas formas mudam com a idade: bullying escolar, assédio sexual, ataques de gangue, abuso infantil, no local de trabalho e abuso de idosos).

“O bullying não está relacionado com  raiva. Não é um conflito a ser resolvido, tem a ver com desprezo – um forte sentimento de desagradar a alguém considerado sem valor, inferior ou não merecedor de respeito. Este desprezo é acompanhado por três aparentes vantagens psicológicas que permitem que se humilhe os outros sem sentir empatia, compaixão ou vergonha: um sentimento de poder, de que se tem o direito de ferir ou controlar outros; intolerância; e uma liberdade de excluir, isolar e segregar outros”.

MITOS E FACTOS SOBRE O BULLYING

Mito: “O bullying é apenas uma fase, uma parte normal da vida. Eu passei por isto e os meus filhos vão passar também.
Facto: O bullying não é um comportamento nem `normal` nem socialmente aceitável. Na verdade, se aceitarmos este comportamento estaremos a dar poder aos bullies.

Mito: “Se eu contar a alguém, só vai piorar.’
Facto: As pesquisas mostram que o bullying pára quando adultos com autoridade e os colegas se envolvem.

Mito: “Reaja e devolva as ofensas ou pancadas.”
Facto: Embora haja algumas vezes em que as pessoas podem ser forçadas a se defender, voltar a unha geralmente piora o bullying e aumenta o risco de sério dano físico.

Mito: “O bullying é um problema escolar, os professores é que devem tratar disto.”
Facto: O bullying é um problema social mais amplo e que ocorre com frequência fora das escolas, na rua, nos centros comerciais, na piscina, nos treinos desportivos e no local de trabalho dos adultos.