domingo, 13 de agosto de 2017

Dadores de sangue dão nome a avenida em Santarém



Nome foi atribuído a uma artéria na zona de Vale de Estacas.

O Dia Mundial do Dador de Sangue, que celebra a 14 de Junho, foi assinalado em Santarém com a criação na toponímia local da Avenida Dadores Benévolos de Sangue do Concelho de Santarém, designação dada a uma artéria na zona de Vale de Estacas.

Na ocasião, o presidente da Câmara de Santarém, Ricardo Gonçalves (PSD), após expressar a sua «imensa gratidão» para com todos os dadores de sangue, anunciou que, no próximo ano, pretende aumentar os apoios municipais para os grupos existentes no concelho.

Alberto Mota, presidente da Federação Portuguesa de Dadores Benévolos de Sangue, enalteceu «o facto de, no dia em que se comemora o Dia Mundial do Dador de Sangue, haver uma autarquia que preste esta homenagem».

Santarém é um dos distritos com mais grupos de dadores de sangue e, consequentemente, com mais dadores de sangue. «Esta é uma forma de agradecer a todos eles, que sem receberem nada em troca, dão-nos a coisa mais preciosa: o sangue», disse Carlos Marçal, presidente da União de Freguesias da Cidade de Santarém.





quinta-feira, 27 de julho de 2017

O fim do sexo


Maria João Marques

Somos, machos e fêmeas, biologicamente diferentes. Os cérebros funcionam de forma distinta, as hormonas não coincidem, os órgãos do corpo não são iguais. Quem ignora isto ou é lírico ou é ignorante.

Há uns anos, quando o meu filho mais velho fazia os seus teatros para a plateia familiar, contendo desde avós a irmão mais novo bebé, eu, no papel de apresentadora, era incitada pelo artista circunstancial a expressar-me da seguinte forma: «senhoras e senhores, meninas e meninos, bebezinhas e bebezinhos, apresento-vos etc.». Ofereço-vos isto como prova A de não ser uma cidadã decente e respeitável. Na verdade, sou uma mãe desnaturada, que impõe a todas as minhas relações familiares (incluindo aos meus filhos) esse pesado jugo de se identificarem com um dos dois sexos biologicamente existentes. Foi uma pena não ter existido nenhum benemérito que se infiltrasse nos teatros familiares e me denunciasse à Segurança Social.

Admito, claro, que uma pessoa adulta possa entender não se definir pelo seu sexo e prefira não ter tal identificação nos seus documentos. Evidentemente: cada um veste-se de calças ou saias, mascara-se de spiderman, caranguejo ou centopeia, usa maquilhagem ou não, cabelo curto ou comprido, apresenta-se socialmente com o nome próprio, muda de nome, escolhe um pseudónimo como «lake» ou «pouf», enfim, cada um tem o direito alienável de se apresentar como bem entende perante o mundo. A minha tolerância é tão extensa que nem desrespeito senhoras que se vestem da cor mais enfadonha de todas, azul marinho.

Como os adultos têm todo o direito de decidir o que fazer à sua identidade sexual – conceito diferente de orientação sexual (homo ou hétero), que um homem gay provavelmente tem a sua identidade sexual masculina claríssima, e o simétrico para as lésbicas – não tenho de opinar se recusam identificar-se com um sexo em que não se sentem incluídos. Por isso, a decisão do prestimoso estado americano de Oregon – que já tem felizes residentes cuja carta de condução indica sexo neutro – não me repugna. Não é uma causa que me entusiasme, mas cada qual escolhe como gastar o tempo. Desde que um adulto se responsabilize pelos constrangimentos que essa falta de identificação sexual lhe traz – por exemplo, falta de alguns cuidados de saúde diferentes entre os sexos – e que respeite as outras pessoas, nada tenho a opor.

Em suma: um adulto apresenta-se como entende e identifica-se como lhe aprouver. Mas se impõe aos outros as suas escolhas, o meu mau feitio entra em acção. Não tenho de deixar de ver reconhecida a minha identificação sexual como mulher – de que gosto – para não ferir suscetibilidades dos não-binários, indecisos, trans, dos sexualmente fluídos, ou o que seja. Como as luminárias do metro de Londres decidiram ao abandonarem o inofensivo «ladies and gentlemen». Também não quero ter homens que se sentem mulheres usando as casas de banho femininas – tenho direito à minha privacidade e, até, à segurança. Menos ainda aceito prescindir, e pelas mesmas razões, de casas de banho femininas para passarem a unissexo. Ou, se calhar, melhor, a multissexo (os sexos são como os sistemas planetários, há muitos para descobrir no universo). Recuso que as empresas privadas sejam, para afagar o ego a diletantes, legislativamente obrigadas a oferecerem casas de banho para os sexos que se inventarem.

Piora quando envolve crianças, como o bebé do Canadá de sexo «U». Se um adulto pode decidir para si o que entender desde que não atropele direitos alheios, é, para mim, uma violentação não informar uma criança de parte fulcral da sua identidade: o sexo. Porque a verdade é que somos, machos e fêmeas, biologicamente diferentes. Os cérebros funcionam de forma diferente, produzimos hormonas não coincidentes, os órgãos do nosso corpo não são iguais, as nossas funções fisiológicas ocorrem de modos diversos. Quem pretende que tudo isto é irrelevante, ou é lírico ou é ignorante.

Faz parte do crescimento querermos saber quem somos. Gostamos de conhecer as nossas raízes, as histórias de vida dos nossos pais, de quem herdámos a cor dos olhos e o formato do queixo. É um cliché – mas verdadeiro – afirmar, para um país, que só se entende o presente se se conhecer o passado. As questões identitárias são, por estes dias, galopantes. Os negros. Os sino-americanos. Os gays. Os sobreviventes de abusos e violência sexual. A geração marcada por um evento histórico incontornável (estive alguns anos a estudar e escrever sobre a geração que viveu a revolução cultural chinesa na adolescência). Enfim, tudo é importante para construirmos a nossa identidade. Menos – não se está a ver? – sabermos qual o nosso sexo.

Aos pais de uma criança compete dar balizas para os filhos se construírem. Passar os valores dentro dos quais gostaríamos que vivessem (no meu caso, por exemplo, não dou como comportamento aprovado a participação em genocídios). E, obviamente, informá-los do seu sexo e o que é o seu sexo. Para, também, mais tarde livremente se definirem como dentro do seu sexo ou por oposição ao seu sexo.

O que se vai conseguir com estas maluquices de privação de identificação sexual das crianças? Além de anos em consultas de psicologia e psiquiatria, temo pela frequência da actividade sexual das próximas gerações. É que a maioria de nós gosta de ter sexo ou só com homens ou só com mulheres. De repente, vivermos num mundo onde não conseguimos distinguir se o outro é do sexo que preferimos, não me parece conducente a muitas concretizações sexuais. Quem sabe tornar-nos-emos no Japão, onde um terço da população adulta não tem vida sexual nem pensa ter. Então boa vida de abstinência. Tudo em nome das palermices progressistas.





Católica faz acordo com universidade do aborto


Universidade Católica Portuguesa (UCP)

Secundino Cunha, Correio da Manhã, 25 de Julho de 2017

Católicos contestam acordo
com Universidade de Maastricht
e escrevem ao Papa.

O Vaticano decidiu analisar o protocolo de colaboração assinado pela Universidade Católica Portuguesa (UCP) com a Universidade de Maastricht (Holanda), para a criação de um curso de Medicina, depois de a Congregação para a Educação Católica ter recebido uma exposição, enviada por um grupo de católicos portugueses, em que o acordo é fortemente criticado.

O documento, que já se encontra na mesa de trabalho do cardeal Giuseppe Versaldi, questiona a ligação da UCP a Maastricht, universidade conhecida pelo trabalho em áreas como o aborto e a eutanásia. «Que garantias existem, por parte desta universidade, que não partilha nenhum dos valores e princípios cristãos, de que o ensino ministrado se manterá fiel ao magistério da Igreja?», questionam os católicos, que recorreram ao Vaticano depois de não terem recebido resposta dos bispos portugueses.

O acordo com Maastricht e o anúncio do curso de Medicina «para breve» foram revelados por Alexandre Castro Caldas, director do Instituto de Ciências da Saúde da UCP. O CM tentou um esclarecimento do patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, que preside o Conselho Superior da UCP, que remeteu para a reitora, Isabel Capeloa Gil.

O assunto deve ser abordado na próxima assembleia plenária da Conferência Episcopal, em Novembro.

Grupo denuncia «jogos políticos»
No processo enviado para Roma, o grupo refere que o acordo entre as universidades tem jogos políticos e ligações à Maçonaria. Dão o exemplo de  um vereador da Câmara de Cascais, entidade que cede terrenos para o polo universitário, estar a tirar um doutoramento em Maastricht.

«É um curso fiel aos princípios da Igreja»
Isabel Capeloa Gil assegura, em comunicado, que o curso de Medicina da Universidade Católica será «fiel aos princípios da Igreja» e que o acordo com Maastricht só tem a ver com o que diz respeito ao modelo pedagógico.

«É um projecto de Medicina que responde e se guia por aquilo que são os princípios da Igreja relativamente à vida, à defesa da vida, ao fim da vida e à dignidade humana», assegura a reitora da Universidade Católica.


SAIBA MAIS

1971
é o ano em que o Estado reconhece oficialmente a Universidade Católica Portuguesa. O decreto Humanam Eruditionem institui a universidade, cuja missão de investigação é completada por uma formação integral inspirada nos valores cristãos.

Maastricht, na Holanda
É uma cidade holandesa, com cerca de 120 mil habitantes. A universidade foi criada em 1976. É uma das mais recentes no país. Tem cerca de 13 mil alunos, dos quais quase metade são estrangeiros.





quarta-feira, 26 de julho de 2017

«Casamento» entre pessoas do mesmo sexo perante a ciência e a ideologia



(Resumo adaptado de um texto de António Justo

 Um biólogo aponta para o possível problema de padrastos 

O parlamento alemão aprovou o «casamento para todos» independentemente de os pares serem heterossexuais ou homossexuais. Em reacção ao facto, o Prof. Dr. Ulrich Kutschera, focou três aspectos:

1 — o contexto do novo casamento universal com a ideologia do «género»;

2 — a base biológica do ser humano;

3 — e a pedofilia.

Kutschera receia «a pedofilia subvencionada pelo Estado
e grave abuso infantil no futuro».

Segundo ele, no chamado «casamento gay» agrava-se «o problema dos padrastos», o que constitui um risco acrescido para as crianças: um padrasto que vive em casa com uma filha adoptiva, sem ligações genéticas, poderá ter uma maior possibilidade de abuso, embora haja muitos padrastos bons.

Para o biólogo, no chamado «casamentos gay» com filhos adoptivos não existe a herança genética de imunização contra o incesto. Em casamentos, heterossexuais, pai e mãe são em 50% parentes genéticos de seus filhos, e a consanguinidade produz um efeito inibidor do incesto.

A probabilidade de inclinação para pedofilia  é 10 vezes maior em casos de padrastos e de madrastas (estudo de Regnerus M 2012).

Filhos sem pais biológicos sofrem mais de depressões e tornam-se mais frequentemente criminosos e dependentes da assistência social.

Argumenta ainda biologicamente o seguinte:

— «As crianças são moldadas inteiramente pela voz da mãe biológica durante o desenvolvimento pré-natal».

— É «inaceitável uma troca voluntária desta importante pessoa de referência por pessoas estranhas.»

— Na biologia, «sexo» corresponde à reprodução bisssexual (fertilização) enquanto para a ideologia do «género», sexo significa «o desenvolvimento de animais sexualmente maduros».

— A erotização infantil precoce, implementada nos programas das escolas, é inadequada.

O lóbi homossexualista no Estado utiliza o poder
para exercer a sua ditadura.

O Ministro da Ciência do Hesse (Boris Rhein) insurgiu-se contra o professor biólogo Kutschera por este defender que o «casamento para todos» aumenta o perigo de abuso de crianças e pressionou a reitoria da universidade para criticar o professor.

A universidade retorquiu ao ministro com o argumento da liberdade académica e da liberdade de opinião do professor mas, ao mesmo tempo, estando dependente da atribuição de fundos do Estado, distanciou-se de Kutschera.





terça-feira, 25 de julho de 2017

Igualdade de género, ou nem por isso?


Marco Silva

 O único princípio que trata todos por igual é o mérito e essa é a cura deste problema intemporal – o das desigualdades de oportunidades.

No dia 23 de Junho deste ano, foi aprovada no Parlamento a lei das quotas de género nas empresas, obrigando empresas públicas e cotadas em bolsa a contratar mais mulheres para órgãos de fiscalização e para os seus conselhos de administração.

Apesar da pompa e circunstância de mais um «momento decisivo na luta das mulheres», como foi  referido por alguns «corvos» políticos, o certo é que nem um mês volvido e esse entusiasmo desapareceu, nomeadamente porque na comissão de inquérito independente à tragédia de Pedrogão Grande foram escolhidos 12 homens e nenhuma mulher, sem que a maioria que tinha aprovado o diploma uns dias antes tivesse esboçado qualquer protesto.

Por falta de mulheres competentes não será certamente, pelo que cumpre perguntar porque se aceita o sucedido. Será que como não é um tacho público/empresarial duradouro já não tem importância a desigualdade? Ou será que o problema é bem diferente e não está a ser combatido?

Curiosamente, foi do PCP que chegou a causa mais aproximada ao real problema quando, ao votar contra a lei, invocou: porque deixa «intacta a mais profunda das causas de discriminações e desigualdades de que as mulheres são vítimas, a exploração da força de trabalho». Embora a explicação do PCP não atinja o cerne do problema, enquadra-o satisfatoriamente. As mulheres, tal como os homens, mas em menor grau, são vítimas da não aplicação da meritocracia. Ou seja, não é pelo mérito que existe a contratação, nem é pelo mérito que é feita a devida remuneração. Esse modus operandi tem um nome, e não, não é machismo, mas corrupção.

É nesta armadilha que caem grande parte dos defensores da igualdade de género, quando erradamente identificam o machismo como o problema e não como o sintoma que ele é, tal como o é o racismo. Todos os actos de preterir alguém por outro motivo que não o seu mérito devem ser tratados por igual, como actos de corrupção, e só com o recentrar do combate será possível termos uma sociedade igualitária, não por decreto, mas por princípio.

Até porque estes actos isolados de «correcção» são os pilares para a perpetuação e branqueamento da corrupção. Senão vejamos, a partir de agora nas empresas públicas teremos cinco homens e cinco mulheres, sem que o princípio primário seja o mérito, o que permite, num país com um elevado índice de corrupção, a colocação de cinco mulheres do aparelho partidário do Governo ou de uma associação de poder.

Na fachada parece existir igualdade de género, contudo, é uma falácia, porque as mulheres, tal como os homens, não têm qualquer estatuto de igualdade perante os que pertencem aos grupos que dominam as instituições nacionais, sejam elas públicas ou privadas. Em suma, não são as mulheres que têm mais oportunidades no novo sistema, mas apenas as mulheres do grupo privilegiado.

E quem fala nas mulheres fala também nos homens preteridos por não terem cartão do partido, ou nas desigualdades de oportunidades dentro do mesmo género, mas de raças ou orientações sexuais diferentes. O único princípio que trata todos por igual é o mérito e essa é a cura deste problema intemporal – o das desigualdades de oportunidades.

Dito isto, uma cultura de mérito não se cria num dia nem numa geração, mas o passo essencial para que tal ocorra é deixarmo-nos de equívocos quanto ao que está realmente em causa. Não é machismo, é corrupção, corrupção que é transversal a todos os géneros e raças. O problema não está no «homem branco», este apenas tem sido o principal prevaricador por uma questão de oportunidade temporal. O problema está em todos os seres humanos que não tenham o mérito como linha orientadora de escolha.





A ditadura da ideologia de género


Bernardo Sacadura

Não basta votar para dizer que vivemos numa sociedade livre, essa é apenas uma das expressões de liberdade, as restantes estão a ser combatidas pelos promotores da ideologia de género.

A ideologia de género é sem dúvida a ditadura mais forte dos tempos modernos. Sob a capa do politicamente correcto e da protecção das minorias, pretende-se implementar o pensamento único. Para a propagação desta ideologia utilizam a única táctica de sucesso conhecida: 1. Silenciamento dos opositores; 2. Revisionismo histórico e alteração de conceitos; 3. Doutrinação das massas. O que esta ideologia defende é que ser homem ou mulher é uma construção social e não depende do sexo com que nascemos. Como dizia Simone Beauvoir «Ninguém nasce mulher, torna-se mulher». As consequências da propagação na sociedade desta ideia, aparentemente simples, são incríveis.

1. Silenciamento dos opositores

A campanha de silenciar todos os que pensam de forma contrária é evidente. Recentemente tivemos as reacções às declarações do Dr. Gentil Martins e do psicólogo Abel Matos Santos. Devemos distinguir dois grupos distintos. O primeiro é aquele que pretende silenciar através de processos e denúncias classificando as declarações de homofóbicas, discursos de ódio etc; o segundo é aquele que diz defender a liberdade de expressão mas ataca a integridade dos opositores e não o conteúdo, a velha conhecida falácia ad hominem utilizada sempre que os argumentos contrários são inatacáveis (Luís Aguiar Conraria foi particularmente longe, sugerindo que o Dr. Gentil Martins tem o seu intelecto afectado, confundindo a perda natural de faculdades físicas com intelectuais e sugerindo que o que move Abel Matos Santos é ser homofóbico).

Este grupo de indignados e ofendidos é o mesmo que ignora quando este ano a comunidade homossexual, bissexual, intersexo etc, sai às ruas de Lisboa em festa com a catástrofe de Pedrógão já a acontecer e com mortos anunciados, numa demonstração clara de insensibilidade e alucinação social. Ignoram quando nessa «festa», a tolerante e sofisticada comunidade acusa uns barbeiros de fascistas e apela à sua morte (o vídeo está aqui).

Estas bichas matam fascistas - Marcha LGBT - Lisboa 2017

Devemos também relembrar que este grupo de indivíduos são os mesmos que não hesitam em dizer «Eu sou Charlie». São os mesmos que defendem aquela publicação que constantemente promove insultos e ataques gratuitos à comunidade Cristã. Mas para esses não há lugar à indignação. Os ataques aos cristãos são sempre enquadrados na liberdade de expressão. Defender a dignidade das comunidades? Depende.

Em Espanha foi impedido de circular um autocarro da organização Hazte Oir que tinha a seguinte mensagem «Os meninos têm pénis, as meninas têm vulva. Que não te enganem. Se nasces homem, és homem. Se és mulher, continuarás a sê-lo». Esta mensagem foi colocada nas ruas de Madrid como resposta a 150 cartazes da associação de famílias com menores transexuais Chrysallis na qual, com uma imagem de crianças nuas e com genitais trocados, defendiam que «Há meninas com pénis e meninos com vulva». Esta campanha não foi alvo de censura. A da organização Hazte Oir foi.

Na aberta e tolerante América não faltam casos de processos a pasteleiros e floristas cristãos que se recusam a participar em casamentos homossexuais devido às suas crenças religiosas (). A dona da pastelaria Cakes by Melissa foi condenada a pagar 135 mil USD como reparação dos danos causados a duas lésbicas que sentiram muita ansiedade e stress pela recusa da confecção do bolo. A multa foi paga e a pastelaria fechou.

É preciso combater a liberdade religiosa. Foi assim na ditadura nazi, é assim no comunismo e é assim na ditadura da ideologia de género.

2. Revisionismo histórico e alteração de conceitos

George Orwell na sua obra prima 1984, descreveu de forma exemplar este fenómeno de revisionismo histórico. O protagonista do livro é um funcionário do Ministério da Verdade e tem como função alterar toda a história para garantir que o Estado nunca se engana. Por exemplo, se as previsões de produção de um determinado bem falharam, todos os arquivos são revistos para ou diminuir ou igualar a previsão, garantindo assim que a produção ou foi excedida ou foi exactamente a prevista pelo Governo.

O argumento para desclassificar os actos homossexuais como uma patologia segue o mesmo racional de revisionismo histórico. Tipicamente é apontado que desde os anos 70 a homossexualidade deixou de ser doença. Convém recordar que o que aconteceu foi que através de uma votação muito disputada a Associação de Psiquiatras Americanos deixou de classificar a homossexualidade como uma doença (que diria Einstein deste extraordinário método cientifico?). Ou seja, somos obrigados a aceitar que a partir desta decisão tomada por votação tudo o que até então era verdade passou a mentira, e que os próprios que votaram contra esta decisão e continuam a não acreditar devem ser desconsiderados.

Relativamente à alteração de linguagem e conceitos, pego novamente no livro 1984. O Estado tinha inventado a «novilíngua» com dois objectivos: limitar a liberdade e influenciar o pensamento. Uma língua em que a mesma palavra podia ter significados opostos (e.g. negrobranco) e outras que assumiam significados opostos ao original (veja-se o lema do partido «Guerra é Paz, Liberdade é Escravidão, Ignorância é Força»). Uma das ideias base da «novilíngua» era de que aquilo que não podia ser descrito por palavras deixava de existir.

O exemplo mais claro da utilização desta táctica no âmbito da ditadura da ideologia de género é a passagem da palavra «sexo» para «género». O sexo refere-se à parte biológica, o género à construção social. Outro exemplo passa pela utilização de adjectivos a classificar conceitos objectivos (e.g. «casamento tradicional»; «família tradicional»), permitindo assim pressupor que há mais variáveis para os mesmos conceitos. São incontáveis os exemplos de alteração da linguagem devido à ideologia de género (há pouco tempo descobri que as pessoas que se identificam com o seu sexo são «cisgénero»).

Esta aberração está na base do inclusivo «Hello Everybody» no metro de Londres em detrimento do discriminatório «Ladies and Gentleman», garantindo assim uma comunicação mais neutra e menos susceptível aos que não sabem o que são mas que sabem que não são nem Mulheres nem Homens.

3. Doutrinação das massas

Por fim a doutrinação das massas. Na marcha LGBT deste ano a própria secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade afirmou a estratégia do governo: «(…) não chega só mudar a lei, é necessário ter educação para a cidadania nas escolas». A educação para a cidadania não é mais do que doutrinar os jovens para a aceitação da ideologia de género. Doutrina-se que é totalmente igual uma pessoa que tem atracção pelo sexo oposto e a que tem pelo mesmo sexo. Que tudo o que dá prazer é bom. Fomenta-se a descoberta desordenada da sexualidade, confundem-se as crianças e desconsidera-se o papel dos pais na educação dos filhos por troca do pai Estado.

Na Alemanha o caso Dojan vs Alemanha é revelador deste poder do Estado. O caso remonta à década passada no qual vários casais impediram os seus filhos de participar nas aulas de educação sexual por ir contra as suas crenças cristãs. Os filhos tinham entre 6 e 10 anos. O casal Dojan não queria que a filha de 10 anos participasse numa peça de teatro denominada «O corpo é meu». Foram condenados. Outro casal também envolvido no caso recusou-se a pagar a multa e foi preso. Considerou o tribunal alemão que o papel do Estado «(…) não é limitado à transmissão de conhecimentos mas também dirigido à criação de cidadãos emancipados e responsáveis (…) evitando a formação de ‘sociedades paralelas’ motivadas por formação religiosa ou ideológica» (pág. 5 – tradução livre). A sentença confirmada em 2011 pelo tribunal Europeu dos Direitos Humanos.

Os sinais estão todos aí e são evidentes. Estão reunidos todos os ingredientes necessários para a implementação da ditadura de pensamento. Foi assim com o nazismo e é assim com o comunismo (que infelizmente ainda mexe). A tentativa de hegemonia de pensamento do grupo dominante sobre os dominados é clara. Não basta votar para dizer que vivemos numa sociedade livre, essa é apenas uma das expressões de liberdade, as restantes estão a ser combatidas pelos promotores da ideologia de género.






sábado, 8 de julho de 2017

Agenda Transgénero vs. Ciência


Rick Fitzgibbons, Actualidade Religiosa, 5 de Julho de 2017

O Gabinete para os Direitos Civis do Departamento de Educação dos Estados Unidos emitiu recentemente uma série de instruções que indicam que se uma escola não utilizar os «nomes e pronomes escolhidos» pelos alunos transgénero, incorre em assédio.

De acordo com esta instrução da Administração Trump, o assédio inclui:

«Actos de agressão verbal, não-verbal ou físicos, intimidação ou hostilidade com base no sexo ou estereótipos sexuais, tal como a recusa em usar o nome ou o pronome escolhido por alunos transgénero quando a escola os usa para alunos não-transgénero ou quando a recusa é motivada por animosidade para com pessoas que não se encaixam em estereótipos sexuais».

Esta ameaça dirigida a professores, auxiliares e directores aumenta o risco de danos psicológicos e físicos/cirúrgicos para jovens e ignora completamente a literatura médica e psicológica sobre os factores de risco grave associados à criação de um ambiente favorável a que jovens se identifiquem com um sexo diferente daquele que é determinado biologicamente por cada célula do seu corpo.

A Administração Trump devia recuar destes artigos de fé politicamente correctos da administração anterior e examinar cuidadosamente, através do estabelecimento de um grupo de uma comissão presidencial, caso seja necessário, a ciência médica e psicológica associada com as tentativas de ajudar os jovens a lidar com atracções transexuais.

Os membros desta comissão poderiam incluir o Dr. Lawrence Mayer, professor de estatística e bio-estatística na Arizona State University, que se assume como um liberal e apoiante dos direitos LGBTQ e o Dr. Paul McHugh, que foi psiquiatra chefe da Universidade John Hopkins entre 1975 e 2001.

O artigo destes dois cientistas de 2016, «Sexuality and Gender: Findings from the Biological, Psychological and Social Sciences», é uma revisão exaustiva da literatura científica sobre identidade de género e orientação sexual, no qual examinaram mais de 500 artigos científicos. Ambos os médicos concordam que nem a orientação sexual nem a identidade de género é inata ou imutável (ou seja, ninguém nasce homossexual nem transgénero, ambos são fluidos). Mais, nem um nem outro encontrou qualquer prova de que se devia encorajar as crianças a identificarem-se como transgénero.

O Dr. Paul Hruz, um endocrinologista e professor associado de biologia celular e fisiologia na Washington University School of Medicine, de St. Louis, liderou um estudo de investigação chamado «Growing Pains: Problems With Puberty Suppression in Treating Gender Dysphoria» que levanta sérias questões sobre a forma como se tratam actualmente as crianças que padecem de disforia de género.

Esse relatório afirma que:

«Particularmente importante é o tratamento de crianças com disforia de género. Jovens com disforia de género constituem um grupo particularmente vulnerável e sofrem de altas taxas de depressão, automutilação e até suicídio. Acresce que as crianças não são ainda inteiramente capazes de compreender o que significa ser-se homem ou mulher. A maioria das crianças com problemas de identidade de género acabam eventualmente por aceitar o género associado ao seu sexo e deixam de se identificar com o sexo oposto.»

O artigo diz ainda que «à luz das muitas incertezas e do desconhecimento existente, seria apropriado descrever como experimental a utilização de tratamentos para bloquear a puberdade em crianças com disforia de género». Este novo tratamento tem sido oferecido a jovens sem as habituais salvaguardas que acompanham as terapias experimentais, tais como testes clínicos cuidadosamente controlados e estudos de seguimento a longo prazo.

O Dr. Kenneth Zucker, autor e psicólogo clínico, é outro académico importante e reconhecido internacionalmente no campo da disforia de género que seria um membro valioso de uma comissão presidencial sobre a forma mais apropriada de tratar estes jovens em termos médicos. Há trinta anos que ele trabalha neste campo e tem escrito uma quantidade enorme de artigos em revistas académicas sobre as origens e o tratamento dos muitos conflitos psicológicos em pais e jovens que dão aso a atracções transgénero. É co-autor do livro «Gender Identity Disorder in Children».

Os artigos do Dr. Zucker descrevem a forma como ele ajudou muitos jovens a aceitar a sua masculinidade ou feminidade biológica. O seu grupo só recomenda intervenções médicas quando a psicoterapia não funciona. Um recente documentário da BBC «Transgender Kids: Who Knows Best?» apresenta o seu trabalho e a controvérsia que actualmente rodeia as abordagens a jovens com atracções transexuais.

Os jovens e os seus pais têm direito ao consentimento informado sobre a atracção transexual, incluindo as opções de tratamento disponíveis, o facto de haver remissão na maioria dos casos e os riscos psicológicos e médicos graves associados ao uso experimental de hormonas e à cirurgia transexual.

Dois dos estudos mais importantes que devem ser discutidos dizem respeito aos efeitos da cirurgia transexual. Um estudo de 2015 determinou que num grupo de 180 adolescentes transexuais (106 mulher-para-homem e 74 homem-para-mulher) o risco de desordens psiquiátricas, incluindo depressão, ansiedade, ideias suicidas, tentativas de suicídio, automutilação sem intenções letais e tratamentos por saúde mental tanto em internato como em ambulatório era duas ou três vezes superior do que no grupo de controlo (Reisner, S.L., et al., 2015).

O maior estudo sobre transexuais pós-operatórios foi uma análise de mais de 300 pessoas na Suécia, ao longo dos últimos 30 anos. O estudo demonstra que depois de operações de mudança de sexo as pessoas incorrem em riscos de mortalidade, comportamento suicida e morbidade psiquiátrica consideravelmente superiores à população em geral (Dheine, C., et al. 2011).

Se o filho do Donald Trump lhe dissesse que se sentia uma mulher presa no corpo de um homem, o Presidente certamente quereria que ele tivesse conhecimento de todos os dados científicos associados a estas atracções emocionais e pensamentos confusos e ilusórios. E certamente não quereria que os professores e conselheiros seguissem as orientações do Departamento de Educação que promovem esses pensamentos ilusórios e sugerem tratá-lo por ela.

É urgente a criação de uma comissão presidencial que aborde esta pressão altamente politizada para se aceitar a agenda transgénero, para melhor proteger os jovens, as famílias e a cultura. Entretanto estas orientações draconianas que ignoram totalmente a ciência psicológica e colocam os jovens em risco deviam ser imediatamente revogadas.





ADASCA (JULHO NO MERCADO MUNICIPAL)


Vem a ADASCA por este meio dar a conhecer as próximas datas relativas às sessões de colheitas que vai realizar durante o mês de Julho no Posto Fixo, localizado no Mercado Municipal de Santiago, 1.º. Piso em Aveiro.

Colheitas de Sangue para Julho

Dias 12, 19 e 26 das 15 horas às 19:30 horas
Dias 15, 22 e 29 das 9 horas às 13 horas

As sessões agendadas para o mês de Agosto podem ser consultadas no site: www.adasca.pt

Tendo em conta o interesse público destas iniciativas agradecemos a melhor divulgação possível reencaminhando pelos contactos de cada um. Obrigado.

Cumprimentos,

Joaquim Carlos

Telemóvel: 964 470 432

NB: em anexo segue também um cartaz alusivo à excursão que a ADASCA vai realizar à localidade de Belmonte dia 26 de Agosto. A ficha de inscrição e programa podem ser impressos a partir do site www.adasca.pt e entregue na Sede da associação nas datas indicadas acima no decorrer das colheitas de sangue.

Nesta data já registamos cerca de 42 inscrições, a lotação do autocarro é de 69 lugares.

Siga por este link o Litoral centro - Comunicação e Imagem, fazendo uma subscrição gratuita https://aveiro123.blogspot.pt/

quinta-feira, 22 de junho de 2017

A ideologia de género é contra os termos «pai» e «mãe»


Jurandir Dias, Instituto Plinio Corrêa de Oliveira, 20 de Junho de 2017

Adelaida de la Calle,
Conselheira de Educação
da Junta da Andaluzia
Em Espanha, o Ministério da Educação da Junta da Andaluzia decidiu suprimir os termos «pai» e «mãe» na inscrição para o próximo ano lectivo. Os pais são considerados apenas «tutores» – que têm a guarda – dos filhos. Na ficha de matrícula figuram apenas os campos «tutor 1» e «tutor 2» em vez de pai e mãe.

O blog «Heraldos de Sevilla» comentou: «A Junta da Andaluzia elimina os termos «pai» e «mãe» das suas matrículas para agradar ao colectivo homossexual. (…) A alteração parece ser uma tentativa de mudar o sexo das palavras em favor da igualdade».[1]

«Esta não é a primeira exigência do lobby [homossexual] nas escolas»  comenta o site La Gaceta – «já que considerou ‘discriminatória’ a celebração do Dia das mães e dos pais e pediu para mudar as festividades para o Dia Internacional das Famílias – 15 de Maio». Este seria um dia em que «todas as crianças podem celebrar a diversidade da família na nossa sociedade», argumentaram.[2]

A iniciativa do Governo causou a indignação dos pais, que a consideram absurda e ridícula.

Por aí se entende porque nos países onde a ideologia de género foi aplicada, sob qualquer pretexto, os pais perdem a guarda dos filhos para o Estado. Assim, chamou a atenção do mundo inteiro um facto que aconteceu na cidade de Naustdal, Noruega, onde «uma família cristã formada pelo romeno Marius Bodnariu e a norueguesa Ruth tiveram os seus cinco filhos sequestrados pelo Governo, após uma denúncia encaminhada para o serviço social do país, ‘alegando radicalização e doutrinação cristã’.» Na Alemanha, os pais de nove filhos foram presos porque uma filha se recusou a  participar na aula de «educação sexual».[3]

A famigerada ideologia de género não se contenta em suprimir os sexos masculino e feminino com o uso da palavra «género», mas quer suprimir também os termos «pai» e «mãe». Isto é a doutrina comunista posta em prática. Se os pais são apenas tutores dos filhos, quem serão então os pais verdadeiros? O Estado totalitário, que decidirá como devem ser educadas as crianças?


______________________









sexta-feira, 2 de junho de 2017

Colheitas de sangue para Junho no posto fixo da ADASCA em Aveiro



Vem a ADASCA por este meio dar a conhecer as próximas datas relativas às sessões de colheitas que vai realizar durante o mês de Junho no Posto Fixo, localizado no Mercado Municipal de Santiago, 1.º Piso.

Colheitas de Sangue para Junho

Dias 7, 14, 21 e 28 das 15 horas às 19:30 horas

Dias 3, 17 e 24 das 9 horas às 13 horas

As sessões agendadas para o mês de Julho podem ser consultadas
no site: www.adasca.pt

Tendo em conta o interesse público destas iniciativas agradecemos a melhor divulgação possível reencaminhando pelos contactos de cada um. Obrigado.

Cumprimentos,

Joaquim Carlos

964 470 432





quarta-feira, 24 de maio de 2017

Anda um pai a criar uma filha para isto…


Laurinda Alves, Observador, 23 de Maio de 2017

Estes rapazes e raparigas terão os seus filhos e as filhas, e uma das grandes interrogações também passa por saber como agiriam se soubessem que as suas próprias filhas se vendem por um par de shots.

Indo directamente ao assunto e usando a terminologia dos próprios alunos universitários que montaram as barracas das Queimas das Fitas, este ano houve tendas particularmente más em alguns dos queimódromos: a «Tenda das Tetas», onde bastava «mostrar as mamas» para ter bebidas à borla, e a barraca onde as raparigas também não pagavam se dessem beijos na boca umas das outras. Não estamos a falar de beijinhos infantis (que já seriam de mau gosto, até para raparigas que vivem a sua homossexualidade com autenticidade e sem exibicionismos), mas de beijos pornograficamente demorados, elaborados, incitados e aplaudidos pelos rapazes em volta. Beijos de bordel, dados em estado líquido, note-se, com níveis de alcoolémia de rebentar qualquer escala.

Não estive em nenhuma das Queimas, seja a do Porto, de Braga ou de Coimbra, mas bastaram-me três brevísssimos vídeos, destes que circulam nas redes sociais e no whatsapp (que um comité de ética me enviou por ser jornalista e cronista, para perceber a extensão do fenómeno, e para que não escrevesse sem saber exactamente sobre o que estava a escrever), dizia eu que me bastaram estes três fragmentos descarada e propositadamente gravados para circularem na net, para compreender que a realidade ultrapassa a ficção. Em todos podemos ver as caras e os corpos dos estudantes envolvidos, em todos se ouvem gargalhadas e frases obscenas em tudo iguais às que já vimos ou ouvimos no cinema, ou em documentários sobre assédio, bullying, estupro e outros abusos. Dá náuseas ver estes vídeos, confesso, mas são uma realidade real, nua e crua. Servem para perceber de que falamos, quando falamos de animação em certas festas estudantis.

Pergunto-me quem serão os pobres pais das raparigas e rapazes que confundem prostituição com diversão? Mas também me pergunto quem serão estas mulheres que não conhecem a história das mulheres, nem as suas lutas, provações, perseguições e privações ao longo dos séculos? Estas raparigas andam na universidade, mas não sabem básicos essenciais sobre a Humanidade. Não só aceitam as regras do jogo, como estimulam a perversidade dos homens, entregando-se a estas supostas brincadeiras com leviandade. Universitárias e universitários deste calibre são um verdadeiro retrocesso civilizacional. Não é preciso ser feminista para sofrer por ver uma rapariga vender-se por um copo ou dois de cerveja.

Nestas e noutras tendas parece que nunca faltou freguesia e o alcool jorrou até nascer o dia. Os rapazes e as raparigas beberam torrencialmente shots atrás de shots (tão baratos, afinal, pois bastava «mostrar as mamas» e deixar o soutien pendurado na tenda para ganharem mais bebidas de borla!), tudo à custa da exposição barata da intimidade do seu corpo. Ou à custa da exibição de beijos entre mulheres, escandalosos beijos pagos a dobrar, pois faziam-se rodas e as bebidas duplicavam se as raparigas beijassem à esquerda e depois à direita, trocando de pares para gáudio dos voyeurs.

Ver rapazes e raparigas embriagados, aos bordos, a dizerem e fazerem coisas estúpidas é degradante. Vê-los em multidão, a pedirem e a consentirem comportamentos bizarros, é alarmante. Sabemos que certas praxes académicas vão ainda mais longe e são muito mais humilhantes do que isto, por não deixarem margem ao livre consentimento e funcionarem em modo submissão, mas não deixa de ser chocante ver estudantes universitários divertirem-se comprando-se e vendendo-se uns aos outros de formas mais ou menos obscenas. E fazerem tudo isto de livre vontade, sem serem obrigados a nada. Só porque sim e porque assim não pagam bebidas.

O efeito manada é perverso e estupidificante. Aliás, só assim se compreende que apesar de individualmente alguns destes alunos de cursos superiores condenarem comportamentos abusivos e serem capazes de participar em manifestações pelos direitos humanos ou assinarem petições públicas contra violações colectivas na Índia, para dar um exemplo recente, possam em noites de muitos copos perder a cabeça e a noção dos limites.

Podem argumentar que a promiscuidade neste tipo de festas é um clássico universitário e só lá vai quem quer, ou quem não se importa de participar, mas não tenho a certeza de que lá estejam só rapazes e raparigas hiper conscientes da sua própria inclinação à devassa. Muito pelo contrário. Nestas Queimas há bilhetes para famílias e estudantes do secundário. Ou seja, podem lá ir pais com filhos e também podem ir adolescentes sozinhos, pois supostamente as Queimas são festas abertas às cidades onde decorrem. Há concertos e acontecimentos culturais, vêm músicos e artistas de outros pontos do país, e tudo isto revela que as Queimas não são festas só para adultos. Muito menos são consideradas festas pornográficas ou orgias colectivas, que também as há por aí, mas para gente que sabe exactamente ao que vai.

Durante e depois da semana da Queima houve queixas e levantaram-se processos. A Polícia Judiciária está a investigar o caso do alegado abuso sexual de uma jovem num autocarro, mais uma situação que envolveu vários estudantes e foi filmada com o mesmo propósito de divulgar nas redes sociais. Este caso já fez correr muita tinta nos jornais, mas ainda ninguém sabe como vai terminar. No meio de tudo isto, ficamos a saber muitas coisas sobre sites e grupos secretos que operam no facebook e foram criados para partilhar conteúdos sexualmente explícitos. As notícias são inquietantes, os vídeos tornam-se virais e todas as raparigas e rapazes que se vêem nos vídeos ficam para sempre reféns destas mesmas imagens. Não há volta a dar. Ninguém saberá nunca a que mãos é que estas imagens vão parar. Nem quando é que vão parar de circular.

Perante esta realidade é impossível não olhar com perplexidade para o cúmulo de excessos, mas também é impossível não nos interrogarmos. Algumas perguntas têm que ficar a fazer eco e a incomodar-nos. Questões sobre quem organiza tudo isto, naturalmente, mas também sobre as relações entre pais e filhos, alunos e professores, amigos e amigas. As famílias já não são o que eram e, por isso, ninguém sabe até que ponto uma rapariga ou um rapaz têm condições para entender o impacto daquilo que estão a viver. Muito menos para fazerem a sua catarse pós-ressaca, no caso de terem consciência do que viveram durante a bebedeira.

Estes rapazes e estas raparigas são jovens e têm um futuro pela frente. Muitos deles virão a ser pais, terão os seus filhos e as suas filhas, e uma das grandes interrogações também passa por saber como agiriam se soubessem que as suas próprias filhas se vendem por um par de shots ou de cervejas. Neste tempo, em que são filhos, entram no jogo e estabelecem os seus valores e preços, mas será que gostariam que a sua filha se prostituísse e fosse filmada enquanto se prostituia? E será que não se angustiariam com o facto de essas imagens ficarem para sempre na net?